quinta-feira, 30 de abril de 2009

Cultura livre, começando a mudar....

Ontem, pela manhã, participei do IV Seminário de Acompanhamento das Ações do Projeto Software Livre do Governo do Estado do Ceará , e no período da tarde estive presente na reunião do Comitê Gestor de Software Livre. A ênfase dada no segundo evento, por livre e espontânea pressão, foi a mudança de cultura.
De fato, para que todo o processo de migração, seja lá qual for a migração, tenha bons resultados a primeira etapa é preparar as pessoas que estarão migrando. Daí vem a necessidade da mudança da cultura.
Pouco antes de iniciar este post recebi um e-mail de um colega de trabalho e percebi que a questão da mudança de cultura tem que combater, além do comodismo, o medo e o preconceito.
Só para contextualizar: sou responsável pela padronização de processos em uma empresa de TI, consequentemente estamos gerando os conhecidíssimos POP's (Procedimento Operacional Padrão). Optei em receber os documentos dos POP's em .odt, o que me gerou algumas dores de cabeça. A rejeição dos usuários (profissionais de TI, acreditem!!) em utilizar um formato livre me deixa triste e ao mesmo tempo revoltada. Lembro-me de uma frase no email: “Serei obrigado a usar ferramenta X”?
Então, chego a conclusão que um dos nossos maiores desafios, em meio a um processo de migração, é desfazer essa cultura ultrapassada que envolve medo e preconceito.
A grande pergunta é: COMO?

2 comentários:

gilfran disse...

Pois é, irmãzuda...
Você disse tudo quando se referiu à preguiça e ao comodismo de muitos... Essa quebra de paradigma cultural é algo que realmente vai nos dar um pouco de dor de cabeça ainda, o bom é que a próxima geração, que está se formando agora, já está tendo um maior contato com a filosofia livre, a questão da cultura livre, a colaboração, ou seja, o conhecimento livre...
Vamos que vamos, essas barreiras só servem para nos motivar ainda mais e nos levantar a estima, pois temos a certeza de que não somos acomodados e preguiçosos e que estamos fazendo o possível para tornar o conhecimento mais acessível a todos.
Beijão!

João Marcus disse...

O pior é quando o sujeito, supostamente um profissional de TI, que supostamente deveria estar em constante atualização, fica reclamando porque vai ter que aprender alguma coisa.
Quando você apresenta um scriptzinho que torna automática uma tarefa que a pessoa leva horas para fazer o sujeito olha para você como se você fosse um alienígena. Script? Céus! Linha de comando? Oh, meu Deus! Melhor ficar 3 horas clicando e movendo o mouse furiosamente!

Alguns nunca aprendem nada a não ser que sejam obrigados. Nunca mudam, a não ser que sejam obrigados a isso. Ou seja, no fim das contas, eles precisam ser obrigados a aceitar a mudança. Não dá pra esperar convencer todo mundo. É preciso convencer e conscientizar aqueles que podem ser conscientizados com argumentos racionais. Já os cabeças-duras...